Cultura


Como fazer a declaração do Imposto de Renda?


Não custa lembrar: o Imposto de Renda é um tributo cobrado anualmente pelo governo federal sobre os ganhos de pessoas físicas e jurídicas. Dessa forma, declarar o Imposto de Renda é uma maneira de a Receita Federal verificar se o cidadão está pagando mais ou menos impostos do que deveria.

Caso o contribuinte pague menos impostos do que o estipulado, o valor devido é informado assim que a declaração é preenchida e o pagamento pode ser feito por boleto bancário ou débito automático. Por outro lado, se a Receita detecta que o contribuinte pagou mais do que deveria, devolve parte do valor até o mês de dezembro do ano da declaração.

Essa restituição ocorre em lotes, por isso quanto antes a declaração é feita mais rápido o contribuinte pode receber o valor que pagou a mais. Abaixo, confira a programação dos lotes de restituição para 2018:

1° Lote – 16/06
2° Lote – 17/07
3° Lote – 15/08
4° Lote – 15/09
5° Lote – 16/10
6° Lote – 16/11
7° Lote – 15/12

Quem deve fazer a declaração?

Apenas trabalhadores assalariados que possuam rendimento anual superior ao teto estabelecido pela Receita Federal precisam declarar o imposto de renda. No caso da edição de 2018, é obrigado a declarar quem recebeu rendimentos tributáveis cuja soma foi superior a R$ 28.559,70 em 2017.

Se estiver dentro da faixa estipulada pelo governo, é necessário entregar a declaração dentro do prazo definido. Caso contrário, estará sujeito a uma multa de 1% por mês de atraso, calculada sobre o imposto devido. O valor mínimo da multa é de R$ 165,74 e o máximo é de 20% do IR devido.

Para saber se está dentro da faixa estabelecida, basta juntar e somar tudo o que ganhou ou pagou no ano anterior: ganhos referentes à venda de bens, aluguéis, fontes alternativas de renda, investimentos isentos de IR (como a poupança) etc. Para ter maior facilidade ao prestar contas, também é indicado guardar os comprovantes de rendimentos e notas fiscais durante o ano. Faça uma pastinha e deixe tudo organizado para não perder tempo depois.

No momento da declaração, basta acessar o programa Receitanet, que é fácil de utilizar e disponibiliza uma série de informações ao contribuinte. Durante o preenchimento, o próprio programa sugere, à medida em que os campos são preenchidos, qual modalidade (a simplificada ou a completa) é a melhor.

A modalidade simplificada é mais indicada para quem não possui dependentes ou muitas despesas que possam ser deduzidas do imposto e, por meio dela, apenas um abatimento de 20% incide sobre todos os rendimentos tributados.

Na modalidade completa, todos os gastos altos com dependentes e saúde em 2017 podem ser discriminados pelo contribuinte de acordo com as notas fiscais. A vantagem é um abatimento maior no valor do desconto do IR.

Depois de enviar a declaração, você pode gerar um código no site da Receita Federal, informando o seu CPF ou CNPJ, inseri-lo neste link e acompanhar o status do processo no Extrato da Declaração do Imposto de Renda de Pessoa Física.

A temporada 2018 do imposto de renda vai até o dia 30 de abril e a recomendação é não deixar a tarefa para a última hora.

Reúna a papelada e mãos à obra!