Saiba mais sobre o Seguro Auto

O sonho de ter um veículo próprio é compartilhado por milhões de brasileiros. Seja apenas para transporte de carga ou para trabalho, ou para viagens e curtições de fim de semana, o carro, a moto, o caminhão ou ônibus podem ajudar muito, porém geram custos para o proprietário, começando com o investimento inicial de compra. Mas não é só isso, seja o tipo de veículo que for, manutenção, desvalorização e impostos garantem ainda mais peso para o bolso. Porém, investimentos são necessários para usar o veículo com segurança e, para dar a máxima tranquilidade, contratação do Seguro Auto é a melhor opção. Vamos tirar algumas dúvidas sobre o serviço? Veja abaixo.

  • Carros antigos pagam seguros mais caros. Sim, isso acontece. Os veículos mais antigos possuem peças de reposição mais caras, o que influencia diretamente o cálculo do prêmio que deve ser desembolsado à seguradora para a cobertura.
  • Descontos podem ocorrer. Em alguns casos, é possível negociar com a seguradora a instalação de rastreadores e/ou bloqueadores. Isso pode ajudar a diminuir o custo do seguro do veículo, mas nem sempre é o caso.
  • Direção segura também dá desconto. Prontuário livre de multas do motorista também ajuda em alguns casos diminuindo o custo do seguro, assim como instalação de aplicativos da seguradora que monitoram os hábitos de direção do motorista.
  • Ambientes mais protegidos também ajudam. Garantir que o veículo esteja sempre guardado em locais seguros, além de ser usado em regiões menos violentas, diminuem o custo do seguro.
  • Seguro é só do veículo, então objetos deixados dentro do mesmo, como bolsas, computadores e celulares, não são contemplados em caso de reembolso.
  • Apólices mais completas resultam em maior tranquilidade. Procure um serviço que te resguarde não apenas em colisão, mas também para roubo e furto, canos causados por catástrofes naturais como chuvas de granizo, terremotos, enchentes ou inundações.

Mantenha a sua cobertura ativa, a documentação do carro em dia, assim como a manutenção mecânica e aí só aproveite o veículo com tranquilidade e segurança. Qualquer dúvida, entre em contato com o seu corretor de seguros de confiança.

Bicicletas como meio de locomoção: o que saber para se proteger e proteger o ciclista

Com as tardes mais longas e prazerosas da primavera, sair do trabalho e dar uma volta de bicicleta é um bom programa para manter a saúde em ordem e espairecer. Além de ser um excelente exercício, andar de bicicleta contribui para a redução da emissão de CO2. Mas é preciso ter alguns cuidados ao praticar a atividade, principalmente nos grandes centros urbanos.

Segundo o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), quando pedalada por pessoas acima de 12 anos, a bicicleta torna-se um veículo e, para se proteger e não machucar ninguém, é preciso seguir as regras previstas na lei.

Andar na rua junto com os carros, onde não houver ciclovia ou ciclofaixa, é uma importante regra, mas desconhecida por muitos. Afinal, calçada é para quem está a pé. Respeitar o semáforo vermelho, exatamente como fazem os carros, é outra regra que a bike deve seguir. Usar capacete ao pedalar não está na lei, mas é extremamente importante. Além disso, é indicado manter a bicicleta equipada com buzina, retrovisores e adesivos refletivos na frente, atrás, dos lados, nas rodas e nos pedais.

Usar roupas claras também é uma atitude de segurança, principalmente para aqueles que pedalam à noite. Lembre-se sempre de sinalizar suas intenções com os braços, um ato fundamental para que, como ciclista, você possa se comunicar com aqueles que estão em outros veículos.

No papel de motorista, proteja quem está de bike, ou seja, não ande colado aos ciclistas e reduza a velocidade. Já trouxemos, nesse post, um pequeno manual da boa convivência no trânsito.

E aí, vai pedalar quando?

Franquia de seguro

A franquia de seguro funciona como um compartilhamento de responsabilidades entre segurado e seguradora, com o objetivo de garantir um maior cuidado com os bens por parte dos proprietários.

De acordo com o histórico de direção dos motoristas segurados, por exemplo, é possível identificar qual o melhor tipo de franquia para cada perfil.

Abaixo, confira quais são eles e entenda suas diferenças:

Franquia Básica (normal)

É comumente usada na maioria dos cálculos iniciais das cotações. Cada seguradora estabelece qual valor será oferecido nessa modalidade.

Franquia Ampliada

Tem valor geralmente duas vezes maior que o encontrado na básica. É indicada para pessoas que temem mais a perda total do que os danos parciais. Esse público está disposto a arcar com o preço de consertar o próprio carro em casos de acidentes. Nesse sentido, o valor total do seguro para este tipo de franquia é mais barato que o da básica.

Franquia Reduzida

Geralmente tem a metade do valor da franquia básica. A modalidade é indicada aos que preferem pagar mais pelo valor da apólice do que arcar com consertos do carro, ainda que estejam dispostos a pagar por consertos menores. Ou seja, para ter franquia mais em conta, o preço cheio do seguro é mais caro.

Franquia Isenta

Nesta modalidade não há a cobrança de franquia do usuário. Não são todas as seguradoras que oferecem a opção, seu uso geralmente tem limite de ocorrências e o valor do seguro é ainda mais caro que o cobrado no contrato com franquia reduzida.