Coberturas opcionais mais comuns no seguro de automóvel

O seguro de automóvel possui uma grande variedade de coberturas, que atendem diversas necessidades. As seguradoras têm investido cada vez mais para ampliar a oferta de produtos disponíveis no mercado, e hoje já é possível obter apólices personalizadas para cada tipo de motorista.

O seguro de casco é o tipo mais básico de cobertura. Pode ser parcial ou integral e protege o veículo contra colisões, roubos, furtos, incêndios e alagamentos. As coberturas adicionais variam de seguradora para seguradora. Conheça as mais comuns:

Proteção aos vidros

Se houver danos aos vidros, lanternas, faróis e retrovisores do veículo, essa cobertura garante o reparo ou a troca imediata dos itens danificados.

Carro reserva

Essa cobertura garante que, em caso de sinistro, a rotina do segurado não seja afetada pela falta do veículo, pois dá direito ao uso de um automóvel reserva pelo período determinado na apólice do seguro.

Lucros cessantes

É uma cobertura fundamental para quem utiliza o veículo como instrumento de trabalho, como taxistas. Em caso de ocorrência que impossibilite o uso do veículo, o segurado recebe uma indenização relativa ao período que deixou de trabalhar. O valor da indenização é determinado no contrato do seguro.

Consulte seu corretor de seguros antes de definir qual o melhor tipo de cobertura para você!

O que significam os sinistros de pequena, média e grande monta?

Quando um veículo se envolve em um acidente, ele deve passar por uma vistoria, que irá avaliar suas condições e determinar se é possível que ele volte a circular com segurança. Esta avaliação é feita por agentes de trânsito e é feita em veículos que tenham ou não seguro, conforme Resolução 544/2015 do Contran.

Durante a vistoria, são checados os estragos causados pelo acidente e a possibilidade de reparo. O veículo é então classificado em um dos três tipos de sinistro definidos pelo Contran (Conselho Nacional do Trânsito). São eles:

Pequena monta – Quando o dano não compromete a segurança do veículo, e este pode ser reparado e voltar a circular.

Média monta – Quando o veículo sofre dano estrutural e fica proibido de circular. Nesse caso, o carro fica registrado no Detran, segundo a resolução Contran 544/2015, e após o conserto deve obrigatoriamente passar por uma inspeção de segurança veicular. Se aprovado, o veículo é liberado e pode voltar a circular normalmente.

Grande monta – Popularmente conhecida como PT (perda total), esse tipo de sinistro ocorre quando o veículo sofre muitos danos estruturais, impossíveis de serem reparados, o que impede que ele volte a circular em segurança.
Os veículos classificados com sinistro de grande monta não podem voltar a ser usados para locomoção em hipóteses alguma. Eles devem ter sua baixa efetuada no Detran e ser encaminhados para sucata ou ter as peças aproveitáveis vendidas, conforme a Lei dos Desmontes – Lei 12977/2014.

Caso o consumidor compre um veículo usado com sinistro de grande monta, ele deve procurar a seguradora que fez o reparo do automóvel ou o Detran para averiguação do ocorrido. De acordo com a lei, tais veículos não podem ser reparados e voltar a circular.

Carros com sinistro de pequena monta não apresentam restrições de seguro e circulação. No caso de sinistro de média monta, o veículo pode ser segurado após a vistoria, aprovação e liberação do Detran.

Antes de comprar um veículo usado, seja em leilão, feira, lojas ou diretamente com o proprietário, o ideal é realizar uma vistoria completa, sempre acompanhada por um especialista. Se identificar qualquer irregularidade, consulte o Detran antes de fechar o negócio.

DPVAT oferece coberturas para três naturezas de danos. Você sabe quais são?

O seguro DPVAT (Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre), administrado pela Seguradora Líder, é de caráter social e indeniza vítimas de acidentes de trânsito, sem apuração de culpa, seja motorista, passageiro ou pedestre. O DPVAT deve ser pago anualmente, junto com a primeira parcela do IPVA, ou na Cota Única.

O DPVAT oferece coberturas para três naturezas de danos: morte, invalidez permanente e reembolso de despesas médicas e hospitalares (DAMS). Para obter a indenização, o solicitante deve procurar um dos 8 mil pontos de atendimento autorizados. Clique para verificar o mais próximo de você: https://www.seguradoralider.com.br/Seguro-DPVAT/pontos-de-atendimento

O pagamento da indenização é feito em conta corrente ou poupança da vítima ou de seus beneficiários, em até 30 dias após a apresentação da documentação necessária. O valor da indenização é de R$ 13.500 em caso de morte e de até R$ 13.500 em caso de invalidez permanente, variando conforme o grau da invalidez. Já o reembolso de despesas médicas e hospitalares comprovadas pode ser de até R$ 2.700.

Os recursos do Seguro DPVAT são financiados pelos proprietários de veículos, por meio de pagamento anual. Do total arrecadado, 45% são repassados ao Ministério da Saúde, para custeio do atendimento médico-hospitalar às vítimas de acidentes de trânsito em todo país, e 5% são repassados ao Ministério das Cidades, para aplicação exclusiva em programas destinados à prevenção de acidentes de trânsito. Os demais 50% são voltados para o pagamento das indenizações.

Para mais informações, acesse o portal da Seguradora Líder: https://www.seguradoralider.com.br/