Viagem


Entenda qual o seguro viagem mais adequado para cada continente


Mesmo visitando os destinos mais seguros do mundo, contar com um seguro viagem é uma boa recomendação para quem quer curtir sem preocupações e dores de cabeça. O serviço pode oferecer cobertura que vai além da assistência médica e cobre cancelamento de voo, extravio de bagagem, entre outros imprevistos. O ideal é sair de casa com tudo em ordem e saber que terá tudo sob controle quando chegar lá.

Mas, você sabe qual o seguro viagem mais adequado para os destinos preferidos dos viajantes, levando em consideração as exigências imigratórias e os elevados custos de atendimento médico no exterior? Confira dicas de especialistas, retiradas do site da Revista Apólice, e faça as melhores escolhas.

AMÉRICA

A maioria dos países do continente americano não exige um seguro viagem, com exceção de Cuba, Venezuela e Equador. Os dois primeiros estipulam um mínimo de cobertura de US$ 10,8 mil e US$ 40 mil, respectivamente. Para destinos da América do Sul, Central e Caribe, recomenda-se contratar coberturas a partir de US$ 70 mil. Isso porque, mesmo que o custo de vida nesses destinos não seja alto, o serviço cobrirá todos os gastos em situações de internação, evitando que o segurado tenha que arcar com qualquer valor extra.

Viajantes com destino ao Canadá e Estados Unidos devem fugir das coberturas muito econômicas, pois nos dois países os custos com saúde são elevados. Caso o turista necessite de atendimento médico e passe por uma cirurgia simples, por exemplo, o custo total pode ultrapassar facilmente os US$ 50 mil. Convertendo para reais (R$), pode representar um prejuízo e tanto.

EUROPA

Os países que fazem parte do Tratado de Schengen* (que visa estabelecer a livre circulação dos visitantes nos países participantes) apresentam como requisito para entrada um seguro viagem com cobertura para assistência médica no valor mínimo de € 30 mil. É possível que o passageiro que não possua uma apólice válida seja barrado. Mesmo para quem irá visitar destinos fora do Tratado, é imprescindível contratar um para garantir o acesso à saúde no Velho Continente sem precisar usar todas as economias em caso de uma emergência médica.

*Conheça os países que fazem parte do tratado: Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Islândia, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Noruega, Polônia, Portugal, República Tcheca, Suécia, Suíça, Liechtenstein, Chipre.

ÁSIA

A apresentação de um seguro viagem não é obrigatória para a entrada nos países asiáticos. No entanto, é necessário avaliar os riscos e contratar o produto adequado. Normalmente, os voos até lá são longos e cheios de escalas e/ou conexões, o que aumenta as chances de extravio da bagagem. Além disso, a comida exótica pode não cair muito bem nos estômagos mais sensíveis e é preciso atentar-se às doenças tropicais. Além de cobrir extravio de bagagem e assistência médica para emergências, o seguro ainda pode oferecer cobertura para acompanhamento familiar ou até mesmo recuperação em hotel.

OCEANIA

Um dos principais destinos para intercâmbio, a Austrália exige seguro viagem apenas para aqueles que desejam estudar na ilha, o Overseas Student Health Cover (OSHC). O continente também é um dos mais buscados para a prática de esportes de aventura. Por isso, é preciso ficar atento e optar por produtos que ofereçam o melhor suporte durante o passeio. Outra vantagem é que, se precisar voltar para casa antes do previsto, o seguro garante o retorno de acordo com as condições gerais e limites contratados.

ÁFRICA

Muito concorrido por seus safaris e as opções de aventura, o continente não determina a contratação de um seguro viagem. Mas não é por isso que você não deve contar com um. O ideal é verificar o seu estilo de viagem e checar se o seguro que você está cotando cobre possíveis situações inesperadas (e indesejadas), como interrupção da viagem e garantia de retorno antecipado, por exemplo.