Cultura


Dia pela igualdade da mulher


A busca por uma sociedade igualitária para todos, quando falamos de tratamento, oportunidades e direitos, é diária. A verdade é que com o passar dos anos muito já melhorou, porém ainda temos um longo caminho para percorrer. Datas que chamam atenção para esta luta são muito importantes, por isso, lembramos este 26 de agosto, Dia internacional da Igualdade Feminina, como algo que não poderia passar batida. Nosso apoio a causa é absoluto, por isso, resolvemos apenas relembrar algumas distorções que foram sendo corrigidas com a luta abaixo.

  • Trabalho fora de casa: apenas em 1943, as mulheres tiveram o direito de trabalhar fora de casa independente de autorização ou não dos seus maridos.
  • Voto: em 1932, finalmente as mulheres tiveram seu direito a voto respeitado.
  • Em 2002, caiu o direito que o homem tinha de cancelar o casamento caso descobrisse que a mulher não era virgem.
  • Proteção. Em 2006 foi criada a Lei Maria da Penha, para proteger as mulheres vítimas de violência doméstica.

Mas esta proteção ainda não é suficiente. Dados de 2019 mostram que os casos de crimes violentos contra mulheres cresceram 7,2% no Brasil. Ao todo, 1.310 mulheres morreram vítimas de crimes domésticos ou apenas por serem mulheres. Outro dado alarmante é o de estupros. São mais de 180 por dia no País. Uma sociedade mais justa e gentil, passa, necessariamente, pelo respeito por todos com condições iguais de crescimento, direitos e deveres. Vamos sempre buscar isso.